Mixagem de som

fevereiro 28, 2009

Na tentativa de deixar o fim de semana mais atrativo, que tal baixar algumas músicas e alegrar a noite do sábado e o domingão que tem tudo para ser de sol escaldante (pelo menos aqui em São Paulo)? Tem as duas novas da Rihanna: How Like it (o que será que ela gosta tanto? de apanhar) e Whipping My Hair. Tem também uma ao vivo de Franz Ferdinand: Call Me, beeem legal e John Legend com Lay Your Head

Abraço a todos e bom fim de semana! 🙂


Wolverine vem aí

fevereiro 28, 2009

Novas fotos de Hugh Jackman como Wolverine. O filme está previsto para estrear em 1 de maio.

wolv005Mais fotos, aqui.


Kate Winslet é a Meryl Streep de amanhã

fevereiro 27, 2009

kate_meryl

É fato que quando anunciam Kate Winslet ou Meryl Streep no cast de um movie, a crítica e os cinéfilos se agitam. Afinal, não há como passar desapercebidos títulos em que as duas atuam. Atualmente – e já há um bom tempo – são consideradas as queridinhas da Academia, temporada sim, temporada não, elas estão ali, marcando presença entre as cinco indicadas ao Oscar. Só para ter uma idéia, na primeira década de 2000, foram 7 indicações para a dupla em nove anos!

Vejamos agora um pequeno esquema comparatório entre as duas atrizes. É claro que esses números não são capazes de comprovar quem é melhor que a outra, serve apenas para evidenciar a bela carreira das duas. Em aproveitamento, por exemplo, evidente que a porcentagem será baixa, porque nem sempre uma indicação se transforma em prêmio, mas ser indicado(a) não é para qualquer um(a), ainda mais nessa quantidade de vezes. Por isso, o número de indicações é também super honrável.

                                                              Meryl Streep    Kate Winslet

Idade

59 anos

33 anos

Primeira indicação

Com 30 anos

Com 21 anos

Primeiro oscar

Com 31 anos

Com 33 anos

Quantas indicações na carreira

15 indicações

6 indicações

Nos anos 2000

3 indicações

4 indicações

Aproveitamento      

(indicações convertidas em prêmios*)

13%

17%

* Oscar

Em 2009, veremos Meryl Streep de novo em cena com Julie & Julia, da diretora Nora Ephron (em breve falarei mais sobre esse filme aqui). Já Kate Winslet não está relacionada a nenhum projeto em 2009. Vai ver ela vai descansar um pouco e comemorar as belas atuações na última temporada por Foi apenas um sonho e O leitor.


Foi apenas um sonho

fevereiro 27, 2009

imagem23

Quanto custa um sonho não-realizado no tempo certo? Ou melhor: quantas frustrações são suficientes para forçar-nos a pensar diferente? Sim, porque entre pensar e AGIR existe um oceano de distância. Essas e outras questões que o diretor Sam Mendes nos coloca em Revolutionary Road, traduzido por aqui como Foi apenas um sonho.

Toda escolha, exige uma renúncia. O problema aparece quando as renúncias parecem ser maiores que as escolhas. Às vezes, dá tempo de voltar a trás, em outros casos, fica tarde demais. Quantos de nós sentimos o desejo de mudança? Mas abandonamos aquele sonho pela inércia que a zona de conforto nos proporciona. É fato que é muito mais fácil deixar as coisas como estão do que tentar mudá-las. 

E o filme? ‘Foi apenas um sonho’ fala um pouco de tudo isso que eu escrevi aí em cima, junto com uma agradável atuação do elenco, destaque – é claro – para o casal principal: Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, esta, belíssima no papel de mulher-americana-dona-de-casa-dos-anos-cinquenta.

Como todo mundo já parou pra pensar sobre a própria a vida, então ‘Foi apenas um sonho’ é ótimo como reflexão para cada um de nós analisar o que desejamos e o que estamos fazendo para conseguir, sem nunca perder de vista a pergunta-mestra: O QUE EU QUERO DA VIDA? Então, faça valer a pena!


Há muito tempo que eu te amo

fevereiro 26, 2009

imagem22

Todo começo de temporada é assim: meio devagar, quase parando. Nem dá muita vontade de assistir filmes. Mas é uma boa época também para ver aqueles títulos que foram ignorados pela Academia. Ontem, conferi Há muito tempo que eu te amo, filme francês, do diretor Phillipe Claudel, que tinha como maior aposta a indicação de Kristin Scott Thomas como melhor atriz. Não vingou! Levou indicação no Globo de Ouro e no BAFTA, mas não venceu em nenhum dos dois. Ganhou sim, mas na categoria de melhor filme em língua não-inglesa no mesmo BAFTA e no Critics’ Choice Awards como melhor filme estrangeiro.

E assim: o filme é puro drama. Vale a pena assistir? Acredito que sim, mas um aviso: a direção é lenta, a trama não evolui e o sono logo bate. A história conta a adaptação de uma mulher à sociedade depois de passar 15 anos na cadeia por assassinato. Mas não é uma mulher qualquer. Uma médica, que matou seu piiiiiiiiiiii… (não vou contar pra não estragar a surpresa).

Em liberdade, ela conta com a ajuda da irmã mais nova que oferece teto e condições para um recomeço. Aí, é que o filme ganha força: Kristin Scott Thomas é excelente na instrospecção de sua personagem, parece viver em outro planeta, em seu universo isolado, não fazendo a mínima para agradar quem quer que fosse, inclusive as pentelhas de suas sobrinhas.

Fora a forte atuação de Thomas não acho que tenha outros pontos positivos no filme. O fim é chato, a atuação do resto do elenco deixa a desejar e o roteiro – também escrito por Phillipe Claudel – é bem construído, mas na minha opinião, é prejudicado pela direção.

Outros filmes rejeitados pelo Oscar que ainda quero ver são: Gomorra e Foi Apenas um Sonho.


O curioso caso de Benjamin BATMAN?

fevereiro 25, 2009

O comediante Jimmy Kimmel fez uma montagem bizarra entre O curioso caso de Benjamin Buttom e Batman – O cavaleiro das trevas, mas não é que ficou engraçado? O cara tem um programa na ABC que leva seu próprio nome e o que deu pra perceber é que super influente no meio holywoodiano. Ele mesmo interpretou a mistura entre Benjamin e Batman. Acompanhe:


“Jai-Ho” para alegrar a quarta de cinzas

fevereiro 25, 2009

O carnaval está acabando e que tal voltar a rotina ouvindo a canção indicada pela Academia como sendo a melhor de todos os filmes de 2008: “Jai-Ho”, de Quem quer ser um milionário?. Devo confessar que não sou um apreciador da cultura indiana, logo nem filmes, música ou estética me agradam muito. É apenas questão de gosto mesmo. Mas essa tal de Jai-Ho é bacana, dançante e vale escutar pelo menos uma vez até o final.

No filme, a música aparece nos créditos finais, quando eles começam a dançar numa estação de trem. Tem gente que gostou, eu fiquei com vergonha. Por eles! É quase ridículo. Se quiser tirar sua conclusão tem o vídeo aí embaixo, agora se preferir esperar quando for assistir o filme é só não acionar o play.

Entre os muitos blogs que eu acompanho, ouvi mais uma versão de Jai-Ho, interpretada por PussyCat Dolls, e sério, não ficou ruim. Para baixar, clique aqui.