O marketing de Chico Xavier O Filme

março 31, 2010

É grande a expectativa para a estreia do filme sobre a vida de Chico Xavier, dia 02 de abril. O mais famoso medium brasileiro estaria completando 100 anos, se estive vivo.

Chico Xavier O Filme vem encorpado na divulgação junto a imprensa e tem sido forte a campanha de divulgação em comerciais de TV, internet e mídia impressa.

Quem está por trás de toda a divulgação é a Globo Filmes, responsável pela produção e distribuição do projeto. A ver pela divulgação percebe-se também que o elenco é basicamente todo do casting da esfera prateada. Não por acaso, o Globo Repórter da semana passada fez um programa especialmente dedicado a Chico Xavier. Belo espaço de promoção, não?

Daniel Filho é o diretor e aí é minha maior preocupação sobre a qualidade do filme. Ele tem alguns filmes de sucesso de público (Se Eu Fosse Você), mas os críticos não costumam ter compaixão dele (com toda a razão).

Resta esperar como foi que ele comandou a equipe para contar a vida de umas das personas mais curiosas da história recente do Brasil. A história do espiritismo por si só já levanta polêmica, imagina então a do misterioso homem que conseguia receber espírito e psicografar mensagens do além? Multidões o seguiam e quem já teve o contato com Chico Xavier, afirma que existia mesmo um aura diferenciada em torno dele.

E ainda como parte de divulgação, vale a pena conhecer o site oficial do filme. Super atualizado com imagens, vídeos, diário das gravações e notícias. Muito completo e bacana. Coisa nunca vista na promoção de um filme nacional antes.

Anúncios

Semelhanças que adoramos -parte 6

março 31, 2010

Veja outras Semelhanças que Adoramos.


Amelia

março 29, 2010


O novo filme de Hilary Swank que estreou neste fim de semana nos cinemas conta a exótica vida de Amelia Earhart, uma mulher além do seu tempo que era admirada por todos – principalmente por outras mulheres – pela coragem ao desafiar os céus.

Amelia era piloto de avião e parecia que  lhe corria adrenalina nas veias. Apesar de conhecer os perigos, ela era uma desbravadora de mar, mas o desafio dela é por cima dele. Foi a primeira mulher a atravessar o oceano atlântico e mesmo diante de tantas adversidades, ela sempre queria mais.

Richard Gere que interpreta George Putnam, um relações públicas que acaba tornando o marido, faz de Amelia uma pop-star da época, sendo considerada como uma das mulheres mais influentes dos Estados Unidos, em meados da década de 1930.

O sucesso lhe deu condições de bancar novos desafios e Amelia tinha um em especial: atravessar o maior dos oceanos: o Pacífico. O projeto envolveu até a compra de um novo avião, o Electra, cujo Amelia tinha admiração especial.

Infelizmente, nem tudo que se planeja é realizado do jeito que se espera e quando se desafia a natureza, é preciso estar consciente de que os riscos existem. Amelia perdeu comunicação com a base, ficou sem localização e com pouco combustível acabou caindo em alto-mar. Nunca foi encontrada.

O ponto alto do filme é a ambientação dos cenários, a edição de som, que relembra a época abordada, o figurino e a interpretação do elenco, que esteve todo bom, em especial Hilary Swank que dá show. Na minha opinião, o roteiro é o ponto fraco. Lento e cansativo, o texto não trás um grande momento, enfraquecendo o filme como um todo.

REGULAR!


Circuito Fora do Eixo

março 26, 2010

Propostas inteligentes sempre têm espaço no CineButeco.  A ideia Circuito Fora do Eixo é uma delas.  O coletivo Fuligem que é um coletivo cultural que promove a cena independente do cinema e da música na cidade de Ribeirão Preto integra o projeto Circuito Fora do Eixo.

O coletivo Fuligem está promovendo uma campanha de arrecadação de filmes nacionais independentes para exibir em sessões de cinema Fora do Eixo em várias cidades do Brasil. É uma maneira de contribuir para esta cena que está em constante desenvolvimento no Brasil.

Gostei bastante da ideia porque como eu vim do interior de São Paulo, sei bem o quanto é difícil as pessoas de lá terem acesso a filmes independentes ou então mais alternativos. Conversava ainda ontem com o amigo Marcelo (@mgimenesvieira) que ainda se encontra em Assis-SP – cidade de onde eu vim –  e ele me deu a “ótima” notícia: as duas únicas salas de cinema da cidade fechou. Razão? O local vai virar uma igreja :(. Sacanagem?

Pessoal, Fora do Eixo, não esqueçam de incluir Assis na rota… ;D


Livros com capas de filme

março 25, 2010

Passear nas livrarias é um dos meus programas prediletos. Há tanta coisa pra comprar, tantas tentações, que até o ser mais cuidadoso com o uso do cartão de crédito acaba perdendo a racionalidade. Como se não bastassem as prateleiras amontoadas de DVDs que aguçam o consumo, outro produto que vem se tornando cada vez mais presente são os livros com capas de filmes.

As editoras estão espertas e andam acompanhando as estreias dos cinemas. É nesta ocasião que disponibilizam na parte mais visível das lojas aqueles objetos de desejo para cinéfilos.  São obras que inspiraram filmes e agora em que estão em exibição nos cinemas ou à disposição nas locadoras, ganham uma oportunidade a mais para serem lidas.

Lembro que um dos primeiros livros que começaram a levar personagens do filme para a capa foi O Leitor. É claro que chama muito mais atenção ter uma Kate Winslet estampada do que só o letreiro. Depois disso veio Foi Apenas Um Sonho, Bastardos Inglórios, o recém-lançado Ilha do Medo e por aí vai.

Para quem  gostou muito de um filme, acho bem legal depois ter a oportunidade de ler a obra e analisar o que era a proposta inicial e o como foi a visão transformadora do diretor. Geralmente, os livros são bem melhores, mas se você viu o filme antes, talvez a frustração seja menor.


Big Girl You Are Beautiful

março 24, 2010


A grande menina descoberta por Oprah Winfrey era uma desconhecida há pouco mais de dois anos. Como num conto de fadas, lhe surgiu uma grande oportunidade, daquelas que só aparece uma vez na vida e ainda para pouquíssimas pessoas. Esperta, ela soube aproveitar a chance que lhe apareceu. O papel de Preciosa caiu como luva e de fato parece não haver outra pessoa melhor para encarnar a personagem que ela formatou tão bem a seu favor.

O que era sonho, virou realidade. Gabourey de repente começou a frequentar festas de astros e estrelas de que era fã. Muito mais que isso, foi reconhecida pela sempre tão exigente crítica e já pode falar que um dia esteve no mesma disputa por um Oscar ao lado de Meryl Streep, Hellen Mirren e Sandra Bullock. Agora, imagina como não fica a cabeça de uma jovem negra, obesa e longe, muito longe dos padrões de beleza estipulados por Hollywood? Imagina a milhares e milhares de atrizes e modelos que ser atrizes que gostariam de estar em seu lugar?

O desafio agora é conseguir outros papéis tão interessantes como foi Preciosa. Em 2010, ela estará na série The Big C, ao lado da também já indicada ao Oscar Laura Linney (A Família Savage), prevista para estrear em agosto. Será a oportunidade de Gabourey mostrar aos telespectadores que tem talento de sobra para viver outros papéis e contrariar a regra de que beleza é fundamental.


Criação

março 23, 2010

Se um filme que se diz biográfico é produzido e lançado no ano em que se comemora 200 anos do nascimento de Charles Darwin e 150 anos de sua obra A Origem das Espécies subentende-se que este filme abordará fatos importantes da trajetória do cientista até chegar a sua brilhante teoria, certo?

Bem, pelo menos era isto que esperava do filme de Jon Amiel e, para minha frustração, não encontrei. Em Criação, Darwin já concluíra sua expedição à America do Sul, onde teria feito uma série de observações da natureza e retirado hipóteses que iriam mudar para sempre o entendimento da evolução da vida na Terra.

Criação não mostra a tal viagem que, na verdade, seria a parte mais interessante da história. No filme, Darwin já está de volta a Inglaterra, e em conflito entre criar a nova teoria que iria revolucionar o mundo e as pressões próprias e da esposa que é contrária as ideias aparentemente malucas do marido, além de bater de frente com os preceitos da ideologia cristã.

Mas o roteiro se perde. Colocam uma filha de Darwin que aparece como uma super companheira e admiradora incondicional do pai e infelizmente acaba morrendo.  Aí ele passa a ver e a escutar a filha morta, que o estimula a publicar A Origem das Espécies.

Não sei precisar se o Darwin verdadeiro também teve as tais visões de uma filha morta, o problema é que o filme acaba desvirtuando o rumo da história na relação filha-pai e o grande feito de Darwin que foi a descoberta da permanente evolução das espécies, ficou relegada a segundo plano.

Vale mencionar a boa atuação de Paul Bettany e da menina que faz a filha de Darwin, Martha West. Ambos mostram muito afinamento e se deram super bem em cena, mas a ideia que tinha do filme era outra. Queria mais sobre as conquistas de Darwin e menos de sua vida íntima.

Assista, caso você não tenha coisa melhor a fazer. Aviso: se você é um curioso das teorias de Darwin são grandes as chances de se decepcionar.