Caminhos novos

junho 22, 2010

Não é fácil dizer isso, mas a partir de hoje deixo o CineButeco. Foi um ano e sete meses no comando do blog em que termino conhecendo muito mais de cinema, além de fazer novas amizades e ficar fã de outros blogs.

Pode parecer besteira dizer que é difícil abandonar o blog, mas só quem tem um sabe o apego que a gente acaba criando com ele. Pensa todo dia no que escrever e sempre que pode dá uma olhadinha na quantidade de visitação ou se tem novos comentários. É assim comigo, deve ser assim com vocês.

Dois grandes amigos que acabei fazendo por aqui antes mesmo do CineButeco, quando eu ainda tinha o falecido CocoLoko, tratam-se do Humberto, do O Humberto Explica e Rafael do Suburbanismos. Nós sempre nos acompanhamos, mesmo tendo blogs de temáticas diferentes. Espero continuar com a leitura de vocês, amigos!

Agradeço imensamente a Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos que me adotou no grupo e me fez presente na blogosfera especializada. Vinícius que desde sempre apareceu por aqui, contribuindo e muito com seu conhecimento. O Luis Galvão com seus textos sempre precisos e parece dizer o que eu gostaria de dizer. O Gustavo, do Mulhollandcinelog é leitura obrigatória para quem gosta de análises certeiras sobre filmes mais antigos. Dias desses descobri que ele é meu conterrâneo, de Assis, interior de São Paulo.

Tem também a sabedoria e o excelente trabalho de Amanda, com o seu ótimo CinePipocaCult que acabei ficando fã e leitor assíduo. E Reinaldo que do nada apareceu e logo foi mostrando sua íncrível capacidade de produção de textos sobre cinema. Gosto muito das análises que ele faz. Enfim, todos aqueles que estão presentes na listas de blogs são muito especiais para mim.

Eu estou partindo para um novo projeto ao lado do André, do Além da Ficha Técnica. Desde o início do ano, viemos trabalhando na criação de um site. Eis que surgiu o Salada de Cinema. A proposta continua a mesma: escrever e trazer à discussão aquilo que a gente mais gosta: cinema. A diferença é que agora teremos colaboradores, inclusive com a participação do Reinaldo e a intenção é fazer uma cobertura maior, numa perspectiva mais profissional.

Peço a todos que visitavam aqui, que por favor, acompanhe a nova saga no Salada de Cinema.

Abraços!

Anúncios

Mais drama para Jim Carrey

junho 12, 2010

Ator famoso das comédias, Jim Carrey voltou aos cinemas com um filme menos engraçado, o drama aliás é um gênero que ele desempenha muitíssimo bem, embora com poucas atuações nesse sentido.

É uma pena! Seus personagens em Show de Truman, depois no excepcional Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças e agora em O Golpista do Ano (I love you Phillip Morris) são de um aprofundamento dramático que a gente até consegue esquecer daquela cara que ele faz em O Máscara ou então em Ace Aventura.

Talvez o grande problema comercial de O Golpista do Ano seja levar aos fãs do ator, um filme considerado por muitos inclassificável, ele parece engraçado e até começa num tom de comédia, mas na metade para o final acaba sendo  um  drama e dos bons. Outro fator que pode ter afetado o desempenho do projeto é que Carrey vive um homossexual, com algumas cenas fortes de sexo, assustando os telespectadores mais conservadores. Até agora, o filme não conseguiu estreia nos Estados Unidos e não há datas previstas para ganhar as salas americanas.

O ator que goza de certo prestígio com a crítica e é adorado pelo público, sabe como poucos fazer rir e também emocionar. Coisa rara de se ver por aí. Em 2010, ele ainda volta aos cinemas, fazendo aquilo que mais gosta: comédia; num filme de Ron Howard, chamado Presidential Reunion. Neste novo trabalho, Carrey viverá o presidente Ronald Reagan. E parece ser bem interessante porque o filme é uma reunião dos presidentes americanos com a presença dos personagens de Barack Obama, George W. Bush, Bill Clinton, Jimmy Carter, Gerald Ford e o já mencionado Regan. Desde já, imperdível.


Elevado 3.5

junho 8, 2010

Vencedor do Festival É Tudo Verdade de 2007, o documentário Elevado 3.5 volta às telonas num momento crucial do tema abordado: o Elevado Costa e Silva, mais conhecido entre os paulistanos como Minhocão. O projeto viário – de beleza duvidosa – voltou às manchetes de jornais porque o atual prefeito Gilberto Kassab pretende pôr no chão o elevado afim de valorizar a região central de São Paulo.

O documentário de João Sodré, Maíra Bühler e Paulo Pastorelo surge então como um registro interessante para sentirmos o que os moradores dos prédios entornos acham  daquele espaço peculiar da cidade. A sensação que dá é que a produção escolheu a dedo os depoentes do documentário. Só aparecem pessoas sui generis, dando a entender que morar próximo ao Minhocão dispiroca a cabeça de todo mundo: o idoso que já foi rico e hoje vive sozinho num cubículo de 6m2, a eterna moradora da Casa do Estudante da USP, a transexual que se sente em casa no centro de São Paulo, o taxista que coleciona flores e por aí vai.

Todos de maneira geral apreciam o local onde moram e não saberiam escolher um outro lugar para morar. Ouvir as histórias de vida de gente tão diferente é muito legal e aí o mérito de Elevado 3.5, mas o documentário peca porque alguns takes são longos e cansativos. Algumas pessoas aparecem, mas não falam; outras falam mas não aparecem. O cuidado com a produção também deixa a desejar: imagens um pouco estouradas e por ora aparecem microfones que não deveriam ser mostrados. Tudo isso acaba prejudicando um pouco o documentário.

Mas Elevado 3.5 é uma ótima oportunidade para conhecer um pouco mais do fabuloso centro de São Paulo e sua gente cheia de histórias interessantes para contar.


No toque de 5 segundos #8

junho 7, 2010


5. O feriado prolongado rendeu bons papos sobre cinema. A conversa gerou indicação de livros, textos e filmes. Um desses indicados foi O Grande Ditador, de Charles Chaplin. As pecularidades da obra de 1940 são muito interessantes e não cabem em poucas linhas. Então, em breve faço um post só sobre o filme.

4. Feriado, frio… o jeito mesmo foi se esconder debaixo das cobertas, assistindo a um bom filme. Revi Piaf, filme que rendeu Oscar a atriz Marion Cotillard por sua interpretação impecável da cantora Edith Piaf. Este filme é um daqueles casos em que vale a pena ver de novo. O trabalho todo é primoroso. Destaco o roteiro e é óbvio, a atuação de Cotillard.

3. Ontem foi dia da entrega do MTV Movie Awards. Nenhuma surpresa. Veja os vencedores da Pipoca Dourada:

Melhor Atriz: Kristen Stewart (Lua Nova)
Estrela Revelação: Anna Kendrick (Amor Sem Escalas)
Melhor Atuação Assustada: Amanda Seyfried (Jennifer’s Body)
Melhor Beijo: Stewart and Robert Pattinson (Lua Nova)
Melhor Momento WTF (what the fuck): Ken Jeong (The Hangover)
Melhor Vilão: Tom Felton (Harry Potter and the Half-Blood Prince)
Astro Mais Foda: Rain
Melhor Ator: Pattinson
Melhor Comédia: Zach Galifianakis (The Hangover)
Melhor Filme: Lua Nova

2. Depois do sucesso (superestimado) de Quem Quer Ser Um Milionário?, Danny Boyle agora é cotado para dirigir a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. Britânico, Boyle está terminando 127 Horas, que tem previsão de estreia ainda para este ano. Além dos cinemas, o diretor também vem dirigindo a peça Mary Frankenstein, no Teatro Nacional de Londres.

1. Mesmo depois de seu 4º episódio, Shrek continua sendo sucesso de público. É impressionante como o ogro conquistou pessoas dos 8 aos 80 anos de idade. O filme liderou as bilheterias americanas do fim de semana. Shrek Para Sempre fez $25M ($183M). A segunda colocação ficou para a estreia Get Him to the Greek $17,4M. Outra estreia que também se deu bem foi Killers, ficando em 3º e faturando $16,1M. A 4ª colocação foi Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo com $13.9M ($59.5M). Sex And The City 2 terminou sua segunda semana de exibição na 5º posição $12.7M ($73.4M).


Cinema em Casa: Albergue Espanhol

junho 4, 2010

É inevitável! Assistir Albergue Espanhol dá uma vontade imensa de viajar para fora do país. O diretor Cédric Klapisch consegue transmitir para o telespectador toda aquela aura saudosa (por minha parte) de viver numa república, repleta de pessoas diferentes que apesar de parecer no primeiro momento estranhas, acabam por se revelar amizades eternas.

A história foca no jovem francês Xavier (Romain Duris) que decide estudar Economia na Espanha durante um ano, para conquistar um emprego bacana, indicado por um amigo de seu pai, que exigia tal conhecimento.

E é lá em Barcelona que Xavier parece desabrochar para a vida. Ele deixa a namorada Martine (Audrey Tautou) na França e em terras espanholas conhece novas pessoas de outras nacionalidades, mas acaba se envolvendo emocionalmente com uma outra francesa, que conhece ainda no avião que o levava para Espanha.

Um ano. Mas pareceu uma vida toda. Na despedida dos amigos, Xavier reflete sobre tudo que praticou durante o período que esteve fora. Os conflitos, as amizades, os erros e os acertos tudo é colocado na balança para pesar se valeu ou não a pena ter ido a um outro país. O resultado, eu deixo para vocês assistirem. 🙂

Um filme sem pretensões, mas muito bem feito. Rodado em 2002, continua sendo super atual para quem anda meio perdido e está na dúvida sobre decisões na vida. E ainda por cima tem Radiohead na trilha…. ❤

Ainda não assisti, mas me informaram que Bonecas Russas do mesmo Cédric Klapisch é tipo uma continuação do filme, mas centrado apenas no casal Xavier e Martine que também são com os mesmos atores. A conferir!


Novidades ‘fantásticas’ de Terry Gilliam

junho 2, 2010

Depois de dirigir o último filme do ator Heath Ledger no universo fantástico de O Imaginário do Dr. Parnassus, filme que teve ainda a presença de Jhonny Depp, Jude Law e Colin Farrell em substituição a Ledger, Terry Gilliam está de volta.

É bem verdade que seu último filme dividiu opiniões, variando em elogios não muito exaltados e críticas não muitas ferrenhas também. O filme deverá ficará marcado mesmo pela despedida do grande ator Heath Ledger que tinha cativado o público e a crítica em BrokeBack Mountaim e Batman – The Dark Knight.

Agora Terry Gilliam está com um novo projeto em pré-produção. Trata-se de O Homem que Matou Dom Quixote, previsto para estrear em 2011. O filme conta a história de um executivo de publicidade que volta ao tempo, mais precisamente no século 17, para conhecer Dom Quixote e termina vivendo as aventuras do personagem.

Curiosidade: O filme é um projeto antigo de Gilliam, o qual inclusive começou a ser rodado em 2000, mas uma tempestade acabou por destruir parte dos equipamentos da produção e teve que ser cancelado. Jhonny Depp estava no papel de Sancho Pança, mas depois nunca mais conseguiu acertar agenda para prosseguir no projeto.


As últimas notícias dão conta que este papel será assumido por Ewan McGregor nas novas filmagens e Robert Duvall viverá Dom Quixote. Os dois inspiram confiança e nós, cinéfilos, ficamos aguardando por mais novidades ‘fantásticas’ de Terry Gilliam.


Festa e premiação do cinema brasileiro

junho 1, 2010
O Grêmio Recreativo Café dos Bancários, no edifício Martinelli, no centro de São Paulo, recebeu diretores de filmes nacionais que foram premiados em uma noite de festa, que comemorou os três anos do projeto CINE B, um circuito alternativo de exibição de filmes brasileiros e de formação de público, fruto da parceria do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região com a Brazucah Produções. Representantes de comunidades que abriram as portas para as telas itinerantes do CINE B foram homenageados com um certificado por sua participação e apoio.

Thaíde conduziu a cerimônia, que contou com a presença dos diretores: Toni Venturi (Dia de Festa), Alê Abreu (Garoto Cósmico), Henri Arraes Gervaiseau (Em trânsito), Pedro Dantas (Onde está a América Latina) e Reinaldo Pinheiro (BMW Vermelha).

O diretores Jorge Duran (Proibido Proibir), Luiz Alberto Pereira (Tapete Vermelho), Tata Amaral (Antônia), Ugo Giorgette (Boleiros), David Shürmann (O mundo em duas voltas), Thiago Fogaça (Forasteiro) não puderam comparecer ao evento mas enviaram seus representantes. Já os diretores Vicente Amorim (Caminho das Nuvens), Jorge Furtado (Sanduíche, Ângelo anda sumido, O dia em que Dorival encarou a guarda, A Ilha das Flores e Barbosa) e Giba Brasil (Interlúdio) mandaram vídeo onde agradecem pelo prêmio.

Convidada especial do evento, Rita Cadillac esteve presente representando seu documentário Rita Cadillac, A Lady do Povo, que foi recentemente lançado nos cinemas.

Pelo CINE B foram projetados mais de 50 títulos nacionais entre longas e curtas-metragens em mais de 130 sessões realizadas em salões de paróquias, escolas públicas, ao ar livre, salões de festas, áreas extremas de periferias, favelas; onde é mais difícil o acesso à cultura e, por isso mesmo, tão necessária uma iniciativa como essa. O público de mais de 16 mil pessoas – parte delas pela primeira vez em uma sala de cinema – é o resultado dessa história de sucesso que mereceu ser premiada. O CINE B faz parte dos projetos sindicato-cidadão, realizados pelo Sindicato dos Bancários, que além de se preocupar com os bancários aos quais representa se preocupa também, com a comunidade e com a cidade em que a categoria vive.

O Prêmio CINE B do Cinema Brasileiro é um reconhecimento aos profissionais de cinema da produção brasileira que participaram das exibições produzidas por este projeto em 2007 e 2008 e que receberam a estatueta criada especialmente para a ocasião. Ela traz uma versão do Eurico, personagem conhecido dos bancários, criado há 18 anos pelo cartunista do Sindicato Márcio Baraldi. As comunidades participantes do projeto também serão homenageadas neste prêmio.

A premiação foi uma forma de incentivar as produções nacionais dentro desse projeto de democratização do acesso à cultura, ao lazer e de formação de público. De um lado, são valorizadas as produções nacionais e do outro a formação de público e a propagação dessa linguagem a qual os brasileiros se identificam.