Amelia

março 29, 2010


O novo filme de Hilary Swank que estreou neste fim de semana nos cinemas conta a exótica vida de Amelia Earhart, uma mulher além do seu tempo que era admirada por todos – principalmente por outras mulheres – pela coragem ao desafiar os céus.

Amelia era piloto de avião e parecia que  lhe corria adrenalina nas veias. Apesar de conhecer os perigos, ela era uma desbravadora de mar, mas o desafio dela é por cima dele. Foi a primeira mulher a atravessar o oceano atlântico e mesmo diante de tantas adversidades, ela sempre queria mais.

Richard Gere que interpreta George Putnam, um relações públicas que acaba tornando o marido, faz de Amelia uma pop-star da época, sendo considerada como uma das mulheres mais influentes dos Estados Unidos, em meados da década de 1930.

O sucesso lhe deu condições de bancar novos desafios e Amelia tinha um em especial: atravessar o maior dos oceanos: o Pacífico. O projeto envolveu até a compra de um novo avião, o Electra, cujo Amelia tinha admiração especial.

Infelizmente, nem tudo que se planeja é realizado do jeito que se espera e quando se desafia a natureza, é preciso estar consciente de que os riscos existem. Amelia perdeu comunicação com a base, ficou sem localização e com pouco combustível acabou caindo em alto-mar. Nunca foi encontrada.

O ponto alto do filme é a ambientação dos cenários, a edição de som, que relembra a época abordada, o figurino e a interpretação do elenco, que esteve todo bom, em especial Hilary Swank que dá show. Na minha opinião, o roteiro é o ponto fraco. Lento e cansativo, o texto não trás um grande momento, enfraquecendo o filme como um todo.

REGULAR!

Anúncios