No toque de 5 segundos #9

junho 14, 2010


5. Maravilhosa! Angelina Jolie está fantástica nesta primeira imagem divulgada de The Tourist. Para completar o visual, tem também Jhonny Depp… O que será que podemos esperar desta dupla em ação, hein? Aguardemos.

4. Um foi pouco. Dois foi bom… agora três é definitivamente demais. Confirmado a sequência de Fúrias de Titãs desta nova versão. Dois roteiristas terão o desafio de produzir a continuação da saga de Perseu: Dan Mazeau (Jhonny Quest) e  David Leslie Johnson (Orfã). Receio que vem bomba!

3. Depois do sucesso de crítica, Katryn Bigelow, vencedora na categoria Melhor Direção e Melhor Filme com Guerra ao Terror, dirigirá o episódio piloto de Miraculous Year (Ano Milagroso), série que será exibida pela HBO, onde ela também será a produtora-executiva. O programa vai retratar os batidores das cenas de Broadway. O elenco parece grandioso com a presença de Frank Langella, Nobert Leo Butz, Hope Davis, que venceu o Tony Awards ontem(o Oscar do teatro americano) e PattiLu Pone.

2. Alguém aí se anima com Popeye? Tá aí um desenho que eu nunca gostei. O filme de 1980, dirigido por Robert Altman e interpretado por um jovem Robin Williams foi um fracasso tremendo, agora estão querendo fazer a versão 3D deste filme de 30 anos atrás, numa estranha mistura de animação e imagens reais. É a corrida desenfreada dos estúdios pela febre 3D. Questionável! (falando sobre o tema, tem um interessante post do Claquete Cultural discutindo os efeitos 3D no cinema)


1. Quem diria? O remake de Karate Kid liderou as bilheterias do fim de semana em sua estreia com $56M. Bom? Acredito que para este filme sim. Em segundo lugar também uma estreia: Esquadrão Classe A ficou bem abaixo, fazendo $26M. Terceira posição para Shrek Para Sempre que faturou $15,8M ($210M). Get Him to the Greek cai duas posições, ficando em quarto lugar: $10,1M ($36,5M) e na quinta colocação e encerrando os top-five, Killers $8,17M ($30,7M). No próximo fim de semana, prepare-se por bilheterias arrebatadoras, vem aí: Toy Story 3.


O Grande Ditador

junho 9, 2010

A nova geração de cinéfilos habituada às modernas técnicas de efeitos especiais, incluindo o fenômeno 3D, deve sentir um certo desconforto em passar mais de duas horas assistindo O Grande Ditador, filme de Charles Chaplin.

Explico: o filme se passa na década de 1940 e possui cenários simples, atuações que mescla o cinema falado com o não-falado e uma comédia inocente, quase macarrônica, mas a gente precisa lembrar que a originalidade está aqui. Foi ele que começou com as piadinhas que hoje achamos bobas. Mas se são tão bobas assim, porque até hoje o seriado Chaves do SBT faz sucesso? E por quanto tempo Didi e a Turma dos Trapalhões reinaram na TV brasileira? Todos eles beberam da mesma fonte: Charles Chaplin.

O telespectador que quiser maior proveito da obra, vai precisar imergir o olhar na época em que o filme foi concebido para entender toda a importância de O Grande Ditador na história cinematográfica.

Charles Chaplin está hilário na caracterização de Hynkel, um arquétipo de Hitler. Os discursos para o público são as melhores cenas. No filme, ele ainda é um barbeiro judeu que sofre nas mãos opressoras do ditador nazista, bem como toda a comunidade judia.

O mérito maior de Charles Chaplin, ator, diretor e também roteirista do filme foi reunir situações engraçadas, românticas e o melhor: corajosas ao criticar Hitler e suas atitudes ditatoriais. Como mencionei ali em cima, o filme foi feito em 1940, isto é, contemporâneo a Hitler. A ousadia lhe rendeu frutos: Chaplin acabou sendo expulso dos Estados Unidos. O discurso que ele profere para a multidão no final é arrebatador e talvez seja justamente este o motivo de sua expulsão. Indicado a 5 Oscars, foi sucesso de público e crítica, o que fortaleceu ainda mais o conceito de gênio do cinema a Charles Chaplin.


No toque de 5 segundos #3

maio 3, 2010

5. Fim de semana foi positivo na qualidade de filmes assistidos. Foram 4 no total: Alice no País das Maravilhas (Tim Burton), Rebecca (Alfred Hitchcock), Tudo Pode Dar Certo (Woody Allen) e Simplesmente Complicado (Nancy Meyers). Grandes diretores, não tinha como me decepcionar. Gostei de todos!

4. Rebecca, é o último que assisti de Hitchcock. Oscar de melhor filme e melhor fotografia em 1940, Rebbeca é uma obra-prima do suspense e tudo o que há de melhor em Hitchcocock é possível encontrar nesta fita. Também pude identificar diversos elementos no filme que podem ter influenciado Scorsese no seu ótimo Ilha do Medo (2010). Nota 10 para Hitchcock em Rebbeca.

3. Aqui, vale uma nota especial para os efeitos de 3D de Alice no País das Maravilhas. Como bem notou Amanda Aouad, do CinePipoca Cult a cena de Alice caindo no buraco é de uma profundidade até então nunca vista, pelo menos pra mim. Gostei muito de como Burton soube trabalhar a tecnologia não apenas na cena mencionada, mas em todo o filme. Eu sei, que haverá discordâncias mas eu gostei bastante.

2. Já dá pra prever as indicações de Alice para o Oscar? Cedo né? Ainda assim vou me arriscar: Melhor filme, Fotografia, Maquiagem, Figurino, Efeitos Especiais. Atriz Coadjuvante para Helena Bonham Carter? Muito arriscado dizer isso neste momento. Melhor deixar de fora.

1. A Hora do Pesadelo estreou bem nos cinemas americanos. Na seu primeiro fim de semana, arrecadou $32,2 milhões, nada mal para um remake de terror pra lá de manjado. Como Treinar Seu Dragão caiu para a segunda colocação, fazendo $10,8 milhões. Uma Noite Fora de Série fez a terceira melhor bilheteria com $7,6 milhões. Plano B já é um fiasco de arrecadação, fazendo apenas $7,24 milhões ($22,9 em duas semanas de exibição). E em quinto lugar, a comédia Deu A Louca Nos Bichos que estreou $6,5 milhões.


O Segredo dos Seus Olhos

abril 16, 2010

Ok! A maioria dos cinéfilos blogueiros já teceram extensos elogios ao filme e sei que estou um pouco atrasado para fazer isso, mas só ontem pude conferir a ótima produção argentina do cineasta Juan José Campanella, vencedor merecido da última edição do Oscar, categoria Melhor Filme de Língua Estrangeira.

O Segredo dos Seus Olhos corrobora com a minha tese de que um bom roteiro é melhor do que um bom elenco para o êxito de um filme. Não que o casting porteño seja ruim, pelo contrário, mas não há ninguém que sobressaia na trama: todos parecem estar muito unidos em prol de entregar para o telespectador um bom trabalho. Por outro lado, só como exemplo, o musical Nine com várias estrelas de Hollywood acabou não agradando o público, seja por ordem de direção, ou o curto tempo de aparição de cada uma das atrizes.

Em Segredo dos Seus Olhos temos uma história bem contada, mesclando gênero policial, comédia, drama e uma reviravolta no percurso do enredo que surpreende muita gente, mas que aos poucos vai fazendo sentindo se juntar algumas deixas do diretor no desenrolar da trama. Aqui cabe um elogio ao belo trabalho de maquiagem e figurino, evidenciando o passar dos anos nos personagens.

Quem ainda não assistiu, achando que se trata de mais um dramalhão latino, engana-se! Vá logo ao cinema se quiser ver boa história e bem contada.


Big Girl You Are Beautiful

março 24, 2010


A grande menina descoberta por Oprah Winfrey era uma desconhecida há pouco mais de dois anos. Como num conto de fadas, lhe surgiu uma grande oportunidade, daquelas que só aparece uma vez na vida e ainda para pouquíssimas pessoas. Esperta, ela soube aproveitar a chance que lhe apareceu. O papel de Preciosa caiu como luva e de fato parece não haver outra pessoa melhor para encarnar a personagem que ela formatou tão bem a seu favor.

O que era sonho, virou realidade. Gabourey de repente começou a frequentar festas de astros e estrelas de que era fã. Muito mais que isso, foi reconhecida pela sempre tão exigente crítica e já pode falar que um dia esteve no mesma disputa por um Oscar ao lado de Meryl Streep, Hellen Mirren e Sandra Bullock. Agora, imagina como não fica a cabeça de uma jovem negra, obesa e longe, muito longe dos padrões de beleza estipulados por Hollywood? Imagina a milhares e milhares de atrizes e modelos que ser atrizes que gostariam de estar em seu lugar?

O desafio agora é conseguir outros papéis tão interessantes como foi Preciosa. Em 2010, ela estará na série The Big C, ao lado da também já indicada ao Oscar Laura Linney (A Família Savage), prevista para estrear em agosto. Será a oportunidade de Gabourey mostrar aos telespectadores que tem talento de sobra para viver outros papéis e contrariar a regra de que beleza é fundamental.


Educação

fevereiro 22, 2010


Antes de tudo, devo assumir que não gostei do filme. O roteiro é de uma previsão tão óbvia que só se vale no final, quando ele inverte a condução da história para outro rumo, ainda assim, previsível.

Carey Mulligan esta sim vale uma análise mais aprimorada. No alto de seus 24 anos, a atriz se sai muito bem no papel da menina indecisa entre optar pelos estudos em Oxford ou acatar o pedido sedutor de casar com um homem mais velho. Seu talento logo mais será posto a prova em quatro filmes que ela fará na temporada 2010: Brighton Rock, Never Let Me Go, Wall Street: Money Never Sleeps e This Beautiful Fantastic. Vamos ficar de olho!

A diretora Lone Scherfig acerta a mão quando divide a história entre a pressão dos estudos para ingressar numa boa universidade e o prazer de viver em meio às festas e as coisas boas da vida. De resto, o filme reserva muito clichê e esteriótipos um tanto óbvios de mais para ser indicado a categoria de melhor filme, mas é também uma bom programa, caso a pedida seja descansar a cabeça com uma bela história de amor próprio.

Nota: 8,0/10.


Butecando o Oscar: Edição de Imagem

fevereiro 18, 2010

De volta a série “Butecando o Oscar”, hoje falaremos sobre edição de imagem. E você sabe o que se leva em consideração nesta categoria? Imagina depois de todo o material gravado, chega a hora de lapidar o diamante, isto é, buscar as melhores cenas, os melhores takes, enfim, um baita trabalhão, por isso, merecem ser valorizados numa categoria especial. E os indicados são:

Distrito 9. Metáfora sobre o apartheid na África do Sul, Distrito 9 foi editado por Julian Clarke num ritmo alucinante e o que é melhor: deixando o espectador com gostinho de quero mais. Tudo leva a crer que haverá a continuação da saga. A forma como a história é contada prende o telespectador do começo ao fim. As cenas rápidas é o ponto forte do filme.

Guerra Ao Terror. Quem trabalha com edição sabe que o olho é um negócio exigente. Não se adapta a imagens paradas por muito tempo. Bob Murawski e Chris Innis souberam dosar o período da cena com o aumento da tensão nela, produzindo um efeito de angustia muito grande. Bom porque a ideia foi justamente passar as aflições e medos que um soldado sofre com a guerra.

Bastardos Inglórios. Evoluções na linguagem cinematográfica que ficaram marcadas na edição Sally Menke. Ao propôr um pause no fio condutor do roteiro e expôr um pensamento de algum personagem ou ainda apontar uma seta num lugar da cena para o espectador é algo inovador que merece ser analisado. Pode soar meio amador para uns e evolução para outros. A discutir.

Preciosa. Talvez seja o mais fraco desta categoria. Pessoalmente, não gostei do final que Joe Klotz junto com Lee Daniels propôs ao filme, achei também que a evolução de Precious ocorreu rápido demais, a partir da mudança, a personagem não parou mais de melhorar, como se a vida fosse realmente assim. Antes fosse!

Avatar. Não se sabe ao certo o que é real e o que é digital em Avatar. Mérito total de Stephen Rivkin, John Refoua e, é claro, James Cameron. Os caras fizeram um trabalho memoral, embora tenha gente (eu!) que achou que poderiam ter dado uma encurtada na história.

Quem deve ganhar: Guerra Ao Terror | Torcida CineButeco: Bastardos Inglórios| Na briga: Distrito 9 e Avatar | Zebra: Bastardos Inglórios.